August 30, 2016

September 22, 2015

August 22, 2015

June 23, 2015

Please reload

Recentes

Um novo relato sobre Setealém

February 6, 2017

1/9
Please reload

Anteriores

Conto: A Verruga

23.06.2015

“Somos os filhos da revolução

Somos burgueses sem religião

Somos o futuro da nação

Geração Coca-Cola

Geração Coca-Cola – Legião Urbana (1985)

 

O homem estava deitado numa espécie da maca, em uma sala completamente branca e sem janelas. Somente a porta verde-água quebrava a monotonia cromática do gesso das paredes. Sentia tubos e fios conectados ao corpo e podia ouvir o sutil ronronar de algum aparelho médico. No ar, o cheiro forte de álcool trazia a certeza de que tudo estava bem. Era uma sensação boa de estar sendo muito bem cuidado. Um conforto quase uterino.

 

 

 

Sem se levantar, apalpou coxa e sentiu que a verruga ainda permanecia lá, como um breve tumor que logo seria passado. Lembrou-se de como a esperança era importante e a vida era boa, mesmo num mundo sujo, violento e desleal. Quem quer que falasse de amor puro, verdade, honestidade e valores era imediatamente tratado como um anormal, um câncer, um marginal. Naquele último ano do século XXII, o importante era se dar bem a qualquer custo. Todo o resto era piegas.

 

Inesperadamente, o homem sentiu uma forte irritação vinda da verruga. O formigamento era tão intenso que coçar era quase uma obrigação. Esticando o braço, o homem coçou muito o pequeno caroço em sua perna. O alívio que suas unhas sem corte proporcionaram foi tanto que o homem relaxou e dormiu. 

 

Mais tarde, médicos, luzes nos olhos e barulho despertaram-no bruscamente.

 

- Parece que tudo está bem – arriscou um dos doutores.

 

A vista embaçada pelo repentino despertar impediu que o homem visse exatamente quantas pessoas o

 

examinavam. Apenas sentia seus toques e luzes. Viravam-no e reviravam-no em uma avaliação interminável. Assim que se deram por satisfeitos, saíram da sala.

 

- O senhor teve uma recaída, mas vai melhorar – disse o último médico, antes de fechar a porta.

 

O homem sentiu-se bem com a notícia. Ainda sem enxergar , coçou mais algumas vezes a verruga e disse para si mesmo:

 

- Eu devia ter escolhido um hospital melhor. Mereço cuidados mais refinados. Este maldito lugar não está à minha altura.

 

As horas passaram lentamente naquele tédio hospitalar onde a única distração era tentar interpretar os sons dos corredores exteriores. Sem ter muito o que fazer, o homem decidiu verificar o estado de sua enfermidade. Esticou o braço e tentou tocar a verruga, mas, ao fazê-lo, um arrepio intenso tomou conta de seu corpo. O pequeno pedaço de carne, que antes media não mais que o tamanho de um feijão, estava com as proporções de uma bola de tênis. Desesperado, o homem gritou e ergueu o tronco para ver a aberração que se formava em sua perna. Perdeu o equilíbrio e caiu da maca. Antes de desmaiar, a última coisa que viu foi a pulsante e escamosa verruga secretando grande quantidade de pus quente, espesso e amarelado. Gritou de pavor até cair na inconsciência.

 

Mais tarde, despertou de bruços. Estavam examinando-o novamente. Apertos, comentários, solavancos e empurrões. Ouvia instrumentos metálicos tilintarem ao serem pegos e largados como talheres em um refeitório. Seria uma cirurgia?

 

- Há perigo de crescer mais? – perguntou um dos médicos.

 

- Negativo – respondeu o outro aplicando-lhe uma injeção.

 

 

Anestesia. Uma forte vertigem tomou conta do homem que novamente desmaiou para só despertar três horas depois. A perna latejava e estava quente. Teriam extirpado, de vez, a verruga? Arriscou olhar e o que viu foi terrível. O que antes era uma simples verruga, agora estava com o diâmetro de uma bola de basquete. Como crescera tanto em tão pouco tempo? Confuso, o homem começou a chorar. O choro, então, virou desespero e o desespero explodiu num grito:

 

- O que está acontecendo? O que é isso?!

 

- Alimento! Preciso de alimento! – uma voz fria e fraca, distante como o vento ecoou pela sala.

 

- Qu-quem disse isso?

 

- Você sabe… – respondeu, desta vez com certo tom irônico.

 

- Essa voz.. verruga? Impossível! Devo estar maluco!

 

Não houve resposta. Com todo o rancor que podia sentir, o homem gritou:

 

- Maldito hospital! Malditos sejam esses médicos incompetentes!

 

A voz voltou mais enfática:

 

- Isso! Alimento! Estou doente, muito doente…

 

- Pare de falar! – pediu o homem. Em sua mente, pensamentos pútridos e mórbidos se misturavam com fúria e medo.

 

A voz vinda da verruga agradecia. A verruga crescia…

 

Sem perceber a correlação, o homem urrava contra o mundo e contra a vida. Cada manifestação vinha carregada de sentimentos odiosos que eram prontamente recebidos e reverenciados pela mórbida voz em sua perna.

 

Meia hora depois, a verruga já estava do tamanho do homem que, exaurido, sentia todo seu sangue esvair-se para o gigantesco tumor. Enquanto morria, num último impulso destrutivo, o homem perguntou à verruga:

 

- Quem é você, desgraçada? – desta vez, era a voz do homem que estava fria, fraca e distante.

 

Então, a verruga, firme e vigorosa respondeu:

 

- Eu sou o inverno da humanidade, a nova raça dominante. Você é passado, fóssil despreparado para a maldade que surgiu e virou alimento. Sua espécie foi um erro passageiro, uma piada para as crianças do futuro. Você é uma sombra que desaparece por causa da forte luz de novos seres que chegaram para silenciar as fraquezas do passado. Há alguns séculos, nós nos alimentamos das angústias, dores, ódio e repressão causadas por vocês mesmos. Como nódulos, nos instalamos como pequenos tumores malignos e fomos ignorados como meras doenças. Assim, como pequenos avarentos, fomos espalhando nossos fétidos esporos por toda a sua raça.

 

Após ouvir a sentença daquele imponente ser, o homem fraco e moribundo sentiu a fortíssima dor do desprendimento e – como um parto grotesco – a verruga separou-se definitivamente do homem já  em estado terminal. Completamente mutilado, o homem presenciou a derradeira cena daquela macabra pantomima: passos apressados no corredor e a entrada dos médicos na sala.

 

Para o espanto do homem, todos eram verrugas.

 

E o homem entendeu porque não tinha lembranças de sua vida, nem nome e nem visitantes preocupados na sala de espera. Enfim, o homem percebeu que ele era a doença. Ele era a deformidade genética que atacava aquela nova raça como a humanidade havia sido atacada no passado. Agora, porém, não havia mais humanidade na Terra.

 

 - Não disse que logo você ficaria bom?

 

- Obrigado, doutor! – respondeu o estranho ser que havia acabado de se curar da doença-homem.

 

A porta verde-água se fechou devagar e o homem – lixo hospitalar desprezível – balbuciou com todas as sua energia restante:

- Malditos!

 

 

 

Please reload

Siga-me
Please reload

Categorias
Please reload

Arquivo
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Google+ Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black LinkedIn Icon

Luciano Milici :: Ficções é a página pessoal e o blog oficial do autor Luciano Milici. Todos os textos são de autoria própria, exceto quando citada a fonte/referência. Proibida a cópia digital ou impressa sem autorização escrita do autor e citação da autoria. Comentários no blog podem ser moderados de acordo com a qualidade do conteúdo. Contate luciano.milici@gmail.com

Luciano Milici :: 2015 ©