August 30, 2016

September 22, 2015

August 22, 2015

June 23, 2015

Please reload

Recentes

Um novo relato sobre Setealém

February 6, 2017

1/9
Please reload

Anteriores

SETEALÉM - O dia em que quase fui para um universo paralelo

28.11.2016

 

 

INTRO

 

Quem me conhece, seja pessoalmente, seja por conta da minha identidade secreta de escritor e roteirista, sabe que eu escrevi meu primeiro conto “O Cavaleiro do Espírito de Prata” aos seis anos e, desde então, nunca mais parei de produzir. Todos os dias, ou melhor, todas as noites, crio algo. Seja feriado, Natal, Hanukkah, Shomer Shabbos (sorry, Walter Sobchak) ou Apocalise Zumbi.

 

 

Geralmente, meus textos são ficcionais e produzidos para algum fim bem específico: livros (meus ou para terceiros, como ghostwriter), filmes, séries, curtas metragens ou websites. A prova disso é que essa página está extremamente defasada.

 

Fugindo um pouco dessas duas tradições, a de escrever ficção e a de deixar essa página às moscas, resolvi – pressionado por novos amigos anônimos – contar um fato estranho que aconteceu comigo há alguns anos. Na verdade, há muitos anos. Foi no milênio passado, só para você se situar cronologicamente.

 

Tudo começou com uma lista do BuzzFeed intitulada “9 histórias que farão você acreditar em universos paralelos”, onde comentei, sem pretensões, sobre um acontecimento que ocorreu comigo e que eu não conseguia explicar racionalmente. A repercussão e o buzz (feed) foram inesperados. Centenas de pessoas começaram a me pedir para detalhar meu relato e outros que coletei do mesmo gênero. Recebi e ainda estou recebendo muitas mensagens e solicitações de amizade de interessados nas histórias.

 

Conforme contei (e recontarei abaixo), mais de dez anos após a experiência que vivi, criei um grupo no extinto Orkut (R.I.P.) onde mantive contato com pessoas que passaram por algo muito semelhante ao meu relato. O mais interessante foi que o nome e a descrição da comunidade não explicavam nada, exatamente para não influenciar os relatos. Quando o grupo começou a se desvirtuar (ah vá! No Orkut? Duvido), eu encerrei a comunidade, não sem antes salvar o conteúdo. Estou em busca do arquivo compactado em algum HD ou mídia. Enquanto não encontro, deixo abaixo os casos que me recordo.

 

Antes de começar a ler, tenha em mente cinco pontos:

 

i. Não sei se os relatos são verídicos. Só posso falar a respeito do meu. Ele é.

ii. Preservarei o nome verdadeiro dos envolvidos, pois não tenho autorização de contar histórias pessoais deles, mesmo após tantos anos.

iii. Se você for uma das pessoas dos casos citados e quiser que eu retire ou corrija seu relato, me avise.

iv. Se você passou por alguma experiência semelhante, me envie seu relato para eu incluir aqui.

v. Os relatos de terceiros foram reescritos por mim. Não alterei nada do conteúdo, apenas mudei a forma, pontuação e fiz algumas correções, sem ferir em nada a história contada.

 

Observação: não sei se o nome do “lugar” se escreve Setealém, 7Além ou Cetealém. Só ouvi o nome, não li.

 

 

Relato 01: Uma passagem para Setealém

 

1994. Eu estava no segundo ano da faculdade. Tinha dezenove anos e lamentava o fato de que só poderia cursar o período noturno a partir do próximo ano. Os dois primeiros anos eram obrigatoriamente matutinos, o que dificultava a busca por empregos ou estágios. Até então, minha experiência se resumia a um longo período como gerente de uma vídeo-locadora, que era como se chamava o Netflix da época.

 

Mesmo morando longe da faculdade, eu adorava o caminho de volta. Os longos trechos à pé até

 

chegar no ponto de ônibus para, em seguida, tomar o Metrô me permitiam observar como as pessoas eram diferentes em seus trajes, gestos e falas. Tudo aquilo era subsídio para novas histórias que eu, diariamente, escrevia. Também aproveitava o caminho para ler.

 

Normalmente, caminhava até lá para tomar um ônibus, qualquer ônibus – o primeiro que passasse – pois todos levavam para um ponto da avenida onde eu facilmente acessaria o Metrô. Não importava o nome, o número ou a cor do ônibus, todos obrigatoriamente iam até o fim da avenida, para então, seguirem seus itinerários. Isso era bom, porque eu não me demorava mais que dois minutos no ponto.

 

Naquela tarde quente de outubro, após uma exaustiva aula de Mercadologia, segui meu caminho costumeiro até uma grande e famosa avenida há alguns minutos do campus. Cheguei no ponto e coloquei um CD, acho que do Nação Zumbi, no discman. A pilha estava acabando e a voz do Chico Science parecia demoníaca. Um ônibus chegou e parou. Entrei e substituí o discman por um livro.

 

Em média, o trajeto demorava de vinte e cinco a trinta minutos por causa do trânsito e, quando eu tinha sorte de encontrar um banco vazio, lia várias páginas. Naquele dia, nem quinze minutos se passaram e senti a mulher ao meu lado, no banco, me cutucar. Parei de ler e olhei para ela.

 

- Você não vai para Setealém, vai? – ela perguntou.

 

Apertei os olhos, tentando entender o que ela havia dito. Teria sido Santarém?

 

Ela insistiu:

 

- Esse ônibus vai para Setealém. É melhor você descer.

 

Sorri para ela. O nome “Setealém” havia ficado claro, mas o conselho não fazia sentido. Olhei para os lados e todos, absolutamente todos do ônibus estavam me olhando. Uma outra mulher, em pé, um pouco mais à frente, falou:

 

- É, vai...desce, moço.

 

Próximo a ela, um rapaz com uma pasta na mão acenou positivamente com a cabeça e foi mais incisivo:

 

- Desce aí!

 

Antes que eu perguntasse o que estava acontecendo, o cobrador – que também me olhava, com o maço de notas na mão – gritou para o motorista:

 

- Vai desceeeeer!

 

O ônibus parou na hora. Ali não era um exatamente um ponto, mas eu não liguei. Levantei-me rapidamente do banco e fui em direção à porta aberta. As pessoas no corredor abriram caminho acompanhando-me com o olhar.

 

Desci.

 

Confesso que, na hora, dezenas de pensamentos me ocorreram. Seria um ônibus particular? Não. Havia um cobrador, afinal de contas. Teriam me confundido com alguém? Talvez. Assim que pisei no asfalto, o ônibus retomou o caminho, até que, estranhamente, virou à direita em uma ladeira de paralelepípedos. Um trajeto incomum.

 

Aquele nome "Setealém" nunca mais saiu da minha mente. Seria um bairro? Uma cidade? Perguntei aos meus conhecidos e até olhei no Guia de Ruas, uma espécie de Waze do século passado, onde seu dedo indicador fazia o papel do carrinho. Ninguém nunca reconheceu esse nome nas proximidades ou até em outro lugar do mundo.

 

Sei que, dias depois, passei a sonhar com Setealém e, desde então, pelo menos uma vez por mês me vejo em suas estranhas ruas, durante o sono.

 

A comunidade no Orkut

 

 

Mais de dez anos depois, decidi utilizar a então popular rede social Orkut para descobrir mais sobre Setealém. Criei uma comunidade com esse nome, mas não escrevi exatamente do que se tratava o grupo. Eu queria que o nome trouxesse respostas. Foi uma maneira de verificar se meu delírio fazia algum sentido.

 

Após algumas semanas de marasmo, pessoas dos mais distantes pontos do País começaram a ingressar na comunidade perguntando o significado do termo Setealém. Ao mesmo tempo que perguntavam, também relatavam suas experiências incríveis que, de maneira geral, se assemelhavam muito com a minha.

 

A cada nova interação, uma história interessante surgia, até que, com o passar do tempo, o objetivo principal da comunidade se desvirtuou e acabou virando um fórum de histórias genéricas de horror e ficção. Como moderador, apaguei a comunidade, não sem antes copiar cada uma das histórias referentes a Setealém.

 

Veja, abaixo, alguns relatos que encontrei nessas primeiras buscas.

 

Relato 02: Minha filha foi pra Setealém

 

Antônia, enfermeira de 40 anos, comentou o seguinte:

 

“Aconteceu nessa semana, pessoal. Eu tava vendo televisão. Minha filha, Patrícia, de 7 anos, estava brincando na sala. Ela fez um risco em um papel e falou:

 

- Mamãe, falta isso de dias pra eu ir na festa na casa do papai!

 

Ela estava certa. Faltava um dia para a tal festinha. Antes que eu falasse algo, o telefone tocou. Bem na hora da novela! Atendi com raiva. Principalmente porque a extensão da sala estava quebrada e eu tive que atender no meu quarto. Era um homem com voz estranha. Muito grossa e áspera.

 

- Senhora Antônia? A senhora é mãe da menina Patrícia?

 

- Sim, sou eu. Quem quer saber?

 

- A senhora precisa ir até a escadaria do condomínio buscar sua filha.

 

- Escadaria? Que escadaria? Qual condomínio?

 

- Eu não sei, senhora. Ela não estava vestida com uma camiseta verde quando desapareceu? A

 

senhora pode ir até a escadaria do condo...

 

- Camiseta verde? Minha filha nem tem camiseta verde, seu maluco! Escuta aqui. Vou ligar para a polícia, tá? Minha filha tá aqui na sala comigo. A gente mora em sobrado e não em condomínio. Fica passando trote a essa hora, seu...

 

O homem desligou.

 

Corri até a sala e Patrícia estava lá, quietinha com seu caderno e um monte de giz de cera.

 

Ontem, mandei a Patrícia para a casa do pai dela, para a festinha. Coloquei nela uma blusinha cor de rosa e uma jaqueta por cima. Meu ex-marido me trouxe ela de volta à noite. Patrícia me agarrou muito forte quando me viu. Perguntei se tudo tinha ido bem, ele disse que antes de trazê-la, passou no prédio da nojenta da nova namorada dele e que a Patty derrubou suco na blusa e, por isso, ele precisou pegar uma camiseta emprestada da filha da namorada dele.

 

Isso mesmo, minha filha estava com uma camiseta verde.

 

Quis saber se tinha acontecido algo de estranho além disso, ele respondeu que não. Falou que Patrícia saiu da festa toda feliz, mas que na volta ficou estranha e séria. Realmente, minha filha estava muito esquisita.

 

Quando ele foi embora, tentei conversar com Patty, mas ela não se abriu de início. Insisti muito e ela contou que quando desceu as escadas do prédio da namorada na frente do pai, ela se perdeu e foi parar em um outro prédio chamado Setealém. Ela disse que ficou chorando alto e chamando pelo pai, até que um homem bonzinho, com olhos amarelos, pegou ela e levou pra casa dele.

 

- Credo, filha, que história maluca é essa? Você não se perdeu do seu pai, não. Ele te trouxe! Tá tudo bem – falei, com a nuca gelada.

 

- O homem bonzinho com olho amarelo telefonou pra cá, mamãe, mas você disse que pra ele que ia chamar a polícia e que eu tava aqui com você e ele desligou. Depois, ele me mandou descer a escada do prédio de novo e o papai me encontrou.

 

Somente agora pouco, antes de eu entrar no Orkut, é que minha filha veio me mostrar uma folha de papel com sete riscos. Perguntei o que era aquilo e ela falou:

 

- Foi isso de dias que eu fiquei na casa do homem, longe de você, mamãe.

 

Não sei o que dizer. Minha filha passou apenas algumas horas longe de mim, mas consegue contar com convicção cada um dos detalhes dos sete dias em que ficou hospedada na casa do homem bonzinho de olhos amarelos que mora em Setealém."

 

Relato 03: Os amigos office-boys

 

Elisa, da Bahia, postou o seguinte comentário:

 

“Oi, me chamo Elisa e tenho 17 anos. Não esquentem com esse negócio. Aqui na minha cidade (sou nordestina, tá?) três amigos meus vivem falando de Setealém, Setealém, Setealém. Eles falam que já foram para lá e conhecem gente que veio de lá e se perdeu aqui. Eles trabalham na rua levando documentos e enrolando.

 

 

Não sei se eles estão cheirados, mas contaram que esse lugar é que nem um bairro. Você vai pra lá sem querer e quando volta não consegue achar mais a entrada. Falaram que é muito parecido com aqui, mas que tem umas diferenças que dão medo. Também falaram que é lugar muito grande mesmo.

 

Meu amigo Giba disse que o pessoal de Setealém sabe daqui, mas que a gente não pode saber de lá ainda. Uma garota de lá que ele conheceu falou que algumas autoridades daqui conhecem Setealém, mas não contam pro povo porque não iam saber explicar o que é aquele lugar. Eu acho tudo mentira, mas como encontrei essa comunidade, quis contar.

 

Eles me falaram que muitas pessoas que sumiram, na verdade, foram para lá e não acharam mais a saída.

 

O Peterson inventou a pior das mentiras. Ele falou que encontrou o Marcelo, primo dele que desapareceu nos anos 80. Ele disse que conversou com o cara e ele nem sabe que está desaparecido. Ele acha que ainda tá nos anos 80, imagina só! O Peterson falou que esse primo dele tá preso nos anos 80. Que bosta, né? Mentira lascada.

 

Só entrei aqui pra contar isso.”

 

Relato 04: O banheiro do shopping

 

Júlio, um rapaz de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, narrou a seguinte experiência:

 

“Meu nome é Júlio, trabalho em uma academia em Porto Alegre. Fiquei feliz por ver essa comunidade porque esse maldito nome não me sai da cabeça.

 

Há seis meses, fui com a minha namorada ao cinema. Fomos comemorar dois anos de namoro. Fizemos aquele programa básico: jantamos no shopping e depois fomos assistir ao filme. Assim que saímos da sessão, caminhamos pelos corredores para olhar as vitrines. Minha namorada disse que iria comprar uma bolsa e me pediu para esperá-la próximo a uma revistaria. Desconfiei que ela queria me fazer uma surpresa de namoro, concordei e fui olhar algumas revistas da banca. Disse a ela que a aguardaria lá e ela retrucou dizendo que não demoraria.

 

Assim que ela se afastou, fui ao banheiro que ficava exatamente no corredor em frente à revistaria. Havia quatro ou cinco pessoas no local que é bem grande. Todos os mictórios, porém, estavam ocupados e, por isso, fui a um reservado. Jogo rápido, nem cheguei a travar a porta. Tirei meu celular do cinto e o coloquei sobre uma apara de madeira.

 

O mais estranho é que não fiquei nem dois minutos dentro do reservado. Ouvi risos de crianças no banheiro e conversas. Assim que terminei de urinar, saí. Não sei se consigo descrever, mas já havia algo estranho no banheiro. Não sou muito de reparar em detalhes. Minha namorada é. Ela é virginiana. Apesar disso, notei que algo havia mudado. Começando pelas luzes que estavam amareladas e não brancas. Muito amareladas, quero dizer. Uma faixa verde bem grossa cruzava a parede e os espelhos estavam menores. Não havia ninguém lá dentro. Nem as crianças que haviam gargalhado há poucos segundos.

 

Lavei as mãos e achei que estivesse ficando louco. Para mim, a água estava meio morna e muito, muito grossa. Nojenta, para falar a verdade. Procurei por papel e não encontrei. Saí balançando as mãos para secarem no ar.

 

Fora do banheiro, achei que fosse desmaiar. Achei que havia saído pela porta errada ou entrando em algum corredor novo. Bom, pelo menos, foi o que tentei acreditar.

 

 

O shopping estava parecendo, na verdade, uma galeria. Ainda era um shopping, conceitualmente, mas estava bem mais velho e desgastado. A luz era fraca e as lojas pareciam amontoados de produtos. Tudo muito feio.

 

Andei acelerado até uma área mais aberta e tive a certeza de que não estava mais em um lugar conhecido. Nada era parecido com o que eu já havia visto em algum lugar na minha cidade ou até na televisão. Começando por pequenos detalhes que me assustaram. Havia uns aquários do tamanho de latas de lixo espalhados em todo lugar. Dentro desses aquários, eu identifiquei uma espécie de pano, sei lá, parecia um pedaço de cobertor roxo que ficava se mexendo dentro desses aquários. As pessoas iam até esses aquários e colocavam as duas mãos em cima e começavam a rir! E eram risadas feias, como se tossissem com o peito cheio de catarro. Fiquei parado, olhando para esses aquários. As pessoas vinham em grupos de dois ou três, encostavam e riam. Mexi a cabeça para os lados rapidamente procurando minha namorada. Tudo o que eu queria era entender o que estava acontecendo e ver um rosto conhecido.

 

As pessoas passavam por mim e me ignoravam. Eram parecidas com pessoas normais, mas ainda assim, não eram totalmente normais. Elas eram parecidas ENTRE ELAS também. Não idênticas, como gêmeos. Não sei explicar. É como quando você viaja para um país diferente onde as pessoas têm traços parecidos, mas também têm traços particulares.

 

Ah, e a revistaria não estava mais lá.

 

No local, um homem vendia peças ou algo assim. Ele tinha uma mesa grande de madeira rústica com vários objetos pretos que pareciam ser de ferro. Os objetos tinham formatos estranhos: ganchos, ferraduras e engrenagens. Cheguei perto e ele perguntou se eu ia trocar ou comprar. Eu não respondi.

 

Uma menina de, mais ou menos, sete anos, se aproximou e pegou uma peça de ferro que parecia uma colher negra e mostrou para a mãe dela. A mãe se aproximou e pegou uma carteira para pagar. A garota apontou a colher para mim e eu pude ver bem seu rosto. Era normal, mas também tinha algo de muito estranho. Não sei se eram as sobrancelhas ou a distância dos olhos. Senti um medo inexplicável. O olhar da menina passava uma maldade sem tamanho.

 

O homem respondeu para ela:

 

- Não, não, ele não vai comprar, pode pegar. Acho que ele nem é daqui de Setealém.

 

A mãe me olhou com nojo. Tomou a colher da menina, colocou de volta na mesa e puxou a filha pra longe de mim, como se eu tivesse uma doença. Comecei a ficar tonto e me sentei em um banco de madeira que era muito parecido com os bancos normais de shopping, exceto que esse era bem mais baixos e só acomodavam uma pessoa. Vi outros bancos desses naquele local.

 

Um som alto tocou e todo mundo parou e olhou para cima. Era um barulho alto e grave como aquelas buzinas de navio que a gente vê em filme. Depois que o som parou, todos retomaram seus caminhos.

 

Pensei na minha namorada e na minha mãe. Aquilo só podia ser um sonho. Levantei rápido e fiquei tão tonto que precisei me apoiar em uma vitrine que, falo de todo o meu coração, vendia pombas vivas. Pombas! Umas dez pombas andavam por lá, tentavam voar e se bicavam atrás da vitrine de vidro. Gritei.

 

As pessoas começaram a me olhar e a apontar para mim. Cochichavam.

 

Decidi ligar para minha namorada. Coloquei a mão no cinto e meu celular não estava mais preso a ele. Eu havia esquecido na apara do reservado. Voltei pelo corredor e entrei rapidamente no banheiro. Três homens estavam sentados no chão do banheiro. Um deles, debaixo da pia. Conversavam algo que eu não quis nem saber. Pulei por cima deles e entrei no reservado.

 

Meu celular ainda estava lá. Tranquei a porta, sentei no vaso e tentei ligar para minha namorada, mas não consegui. O aparelho estava simplesmente apagado. Apertei os botões com força, mas não adiantou. Ouvi risos de crianças novamente. Fiquei lá uns dez minutos, até que alguém bateu na porta. Era o rapaz da revistaria. Ele disse que havia me visto entrar no banheiro e que minha namorada já estava me aguardando na banca dele. Ele perguntou se eu estava passando mal ou algo do gênero.

 

O banheiro estava claro e o shopping estava normal. Minha namorada não acreditou em mim, mas viu que eu estava realmente muito nervoso. Foi o pior dia da minha vida. Estraguei nossa comemoração passando mal do estômago horas depois.

 

Não voltei ainda ao shopping e estou pensando seriamente em fazer terapia. Eu achei que tinha ficado louco até achar essa comunidade com o mesmo nome dito pelo homem daquela banca bizarra. Setealém. Deus me livre existir um lugar daquele."

 

BÔNUS

 

Enquanto busco, centralizo e reescrevo as outras histórias, estou recebendo alguns relatos que não citam necessariamente Setealém, mas que – aparentemente – têm alguma relação.

 

Neto Ribeiro, Olinda

 

Eu li o seu relato no BuzzFeed e fiquei maluco porque pensei que isso só tinha acontecido comigo. E fiquei mais surpreso ainda por saber que outras pessoas falaram contigo sobre experiências parecidas.

Comigo, aconteceu da seguinte forma: sou Pernambucano e moro em Olinda. Aqui, temos uma espécie de Sítio Histórico com igrejas antigas e uma grande praça onde ocorrem algumas festas regionais.

Eu estava passeando de bicicleta por lá em uma segunda-feira à tarde, sem destino fixo. Poucas pessoas circulavam na região, naquele dia. Quando dei por mim, estava em um lugar que nunca tinha visto antes, um local novo, para mim, naquele Sítio. Havia, também, pessoas estranhas.

Todas ficaram me encarando. Parei para tomar água, até que uma senhora se aproximou e perguntou se eu era de lá mesmo. Ela tinha um forte sotaque do sul do Brasil.

Respondi que sim, que eu era pernambucano e que estive toda a minha vida em Olinda. Então, ela me olhou fundo e respondeu:

- Não, meu filho, você não é daqui, não.

Fiquei todo arrepiado e saí de lá rapidamente. Ainda ouvi ela gritar.

- Você não é daqui, não. Volta pro seu lugar!”

 

Então, o que achou? Deixe um comentário.

 

Em breve, atualizarei esta página com os demais relatos que encontrei. Assine a news para ficar sabendo de tudo em primeira mão.

 

Aproveite, também, para dar uma passadinha na loja.

 

CONHEÇA MEUS LIVROS:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONHEÇA MEU JOGO, UM SUPERTRUNFO DE SERIAL KILLERS:

 

 

OU CONHEÇA MEU FILME:

 

 

 

Please reload

Siga-me
Please reload

Categorias
Please reload

Arquivo
  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Google+ Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black LinkedIn Icon

Luciano Milici :: Ficções é a página pessoal e o blog oficial do autor Luciano Milici. Todos os textos são de autoria própria, exceto quando citada a fonte/referência. Proibida a cópia digital ou impressa sem autorização escrita do autor e citação da autoria. Comentários no blog podem ser moderados de acordo com a qualidade do conteúdo. Contate luciano.milici@gmail.com

Luciano Milici :: 2015 ©